Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/08/20 às 9h22 - Atualizado em 3/08/20 às 9h52

Aumenta a procura do empresariado por financiamentos do FCO

COMPARTILHAR

O primeiro semestre de 2020 apresentou elevado interesse do empresariado, de todos os portes, em novos financiamentos com recursos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO). De janeiro a junho foram analisadas e aprovadas 131 cartas-consulta – foram 39 no mesmo período do ano passado – e liberados R$ 246 milhões em financiamento para empreendimentos no DF e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Os dados constam de relatório da Secretaria de Desenvolvimento Econômico sobre o respectivo período da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

 

Considerando-se as contratações gerais, já foram formalizadas operações no montante de R$ 297 milhões a partir de recursos do FCO. Isso representa, em apenas seis meses, a contratação de mais de 70% de todo o financiamento do FCO verificado em 2019.

 

“Temos convicção na retomada da economia no DF e Entorno. E esses números provam que estamos no caminho certo. Apesar dos impactos da pandemia, temos apoiado os empresários e estamos priorizando não só a manutenção, mas também a geração de emprego e renda, além de um cuidado especial com a nossa arrecadação”, observa o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Eduardo Pereira Filho.

 

Ainda no âmbito do FCO, o governo também disponibiliza linha de crédito de R$ 1 bilhão para ajudar na retomada da economia. Isso foi possível porque houve o reconhecimento, por parte do Ministério do Desenvolvimento Regional, da situação de calamidade pública provocada pela pandemia no DF.

 

Trata-se de mais uma oportunidade para que as micro e pequenas empresas busquem o Banco do Brasil, o Banco de Brasília (BRB) e o Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob). Por meio dessas instituições financeiras, os empresários podem acessar a linha de crédito criada pela Resolução nº 4.798, formalizada em 6 de abril de 2020 pelo Banco Central.

 

* Fonte: Agência Brasília