Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/06/20 às 20h02 - Atualizado em 21/06/20 às 20h08

Comerciantes apostam no aumento de vendas com o Viva W3

COMPARTILHAR

Além de servir como mais um espaço para o lazer dos moradores do Distrito Federal, o fechamento da W3 Sul aos domingos e feriados tem o objetivo de retomar a importância comercial de uma das vias mais antigas da capital. A ideia de promover eventos culturais e gastronômicos teve que ser adiada devido à pandemia do novo coronavírus, mas comerciantes e moradores acreditam que, aos poucos, e adotando todas as medidas de segurança, será possível recuperar a economia local.     

 

Dono de uma lanchonete na quadra 710 da Asa Sul há quase três décadas, Mauro Martins, 55 anos, vê o fechamento da avenida como uma forma de impulsionar as vendas. “Por causa do coronavírus, o meu negócio simplesmente quebrou”, lamenta. “Fechar essa avenida foi a melhor coisa que o GDF fez. Não tem necessidade de ela estar aberta aos domingos, pois temos vias alternativas para transitar”, ressalta.

 

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do DF (Fecomércio-DF), Francisco Maia, elogia a ação do governo ao fechar a avenida. “É uma boa solução para aquela área”, opina. “Projetos culturais e gastronômicos, como feiras, serão uma forma de movimentar o comércio, após a pandemia”, comenta. 

 

Prefeito da W3 Sul, Paulo Melo também reforça que só o fato de a via ter sido fechada já é uma medida positiva. “É uma questão de tempo. Após a pandemia e a revitalização, pode ser feito um circuito de bares e restaurantes”, opina. “É preciso estudar a característica de cada quadra e implementar atividades que combinem com elas”, propõe. 

 

Segurança total  

O plano de fechamento da W3 Sul entre as quadras 503/703 e 515/715, das 6h às 17h, se mantém sem alterações e aglomerações. A abertura de um dos cruzamentos, que chegou a ser reclamada, principalmente por entregadores de comida, se mantém descartada em prol da segurança das famílias que circulam pelas duas pistas da via nos dias de fechamento.

 

Com o trânsito controlado pelo Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) e a segurança monitorada pela Polícia Militar do DF (PMDF), o Viva W3 distribuiu 7.500 mil máscaras – assim como 4 mil em 11 de junho e 10 mil no dia 14 – para as pessoas que solicitaram ou para quem estava circulando sem o equipamento de proteção individual. Até o fechamento desta reportagem, não foi registrada nenhuma ocorrência policial.  

 

O SLU prepara a instalação de lixeiras nos próximos meses. As peças já foram compradas para manter a limpeza da avenida, que passa este ano por um processo histórico de revitalização. Os ônibus seguem as rotas alternativas nas W4 (sentido Sul-Norte) e W5 (sentido Norte-Sul). Os locais de embarque e desembarque da população estão devidamente sinalizados com placas.    

 

Projeto Viva W3

Iniciado em 11 de junho, o Viva W3 surgiu de uma ideia do governador Ibaneis Rocha de revitalizar e resgatar a história daquela que já foi a principal avenida comercial de Brasília. 

 

Começava em 2019 um debate com comerciantes e moradores para criar na via um dia de lazer. Inicialmente, a sugestão era fechar o trânsito de veículos aos sábados, de manhã ou à tarde, priorizando a circulação de pedestres em frente às lojas ainda abertas.

 

Em outubro do ano passado, foi criado um grupo de trabalho para estudar a viabilidade técnica de implantação do projeto. A proposta enfrentava resistências e buscava amadurecimento, até que a sugestão de criar o Viva W3 aos domingos e feriados, aos moldes do Eixão do Lazer, ganhou força em meio à necessidade de expandir os espaços públicos de esporte e lazer da população durante a quarentena.

 

* Fonte: Agência Brasília/ Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília