Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/01/20 às 10h08 - Atualizado em 9/01/20 às 10h15

Programa Cartão Material Escolar aumentará faturamento de papelarias

COMPARTILHAR

As papelarias do DF devem registrar um crescimento de 52% no faturamento do setor este ano em comparação com o ano passado em razão do incremento no orçamento do programa material escolar. Também devem ser gerados 2 mil empregos temporários em razão do benefício. A previsão é do Sindicato de Papelarias e Livrarias do DF (Sindipel). O orçamento destinado pelo governo para o benefício cresceu de R$ 18 milhões em 2019 para R$ 30 milhões este ano.

 

De acordo com o presidente do Sindipel, José Aparecido da Costa Freire, o programa é a sobrevivência do setor. “A medida beneficia todos os empresários do segmento, de micro e pequeno a médias e grandes empresas. Outro ponto positivo é a segurança jurídica possibilitada pela lei 6.273/19, que regulamentou o programa e permitiu que os empresários possam antecipar seus estoques para as vendas”, comemora o presidente do Sindipel.

 

Até quinta-feira (8), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico já havia credenciado 305 papelarias. Uma delas é a Premium Papelaria, que fica no Riacho Fundo II. “Esse cartão será de grande importância para gente. Estamos com expectativa no aumento das vendas, contratação de mais funcionários e até expansão da loja”, afirma o dono da Premium, Sérgio Batista.

 

Programa foi ampliado para atender mais estudantes

Além do incremento no orçamento, o programa foi ampliado para atender mais estudantes em 2020. Agora, os alunos da educação infantil e ensino especial também receberão o benefício para compra de materiais como lápis, cadernos, mochilas, borrachas e jogos pedagógicos.

 

Os cartões serão distribuídos às famílias carentes, inscritas no programa Bolsa Família, do governo federal. Cada um dos estudantes dos níveis infantil, fundamental e ensino especial receberá R$ 320. O estudante do ensino médio receberá R$ 240.

 

 

* Fonte: Agência Brasília/ Foto: Tony Winston/Agência Brasília