Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/20 às 17h52 - Atualizado em 23/04/20 às 17h56

Reabertura do comércio será gradativa

COMPARTILHAR

O Governo do Distrito Federal estuda como liberar de forma “gradativa e responsável” a abertura do comércio no próximo mês. Nesta quinta-feira (23), o governador Ibaneis Rocha, em reunião com representantes de vários segmentos do setor varejista, disse acreditar que cerca de 80% dos estabelecimentos possam retomar as atividades caso sigam criteriosamente todas as recomendações dos técnicos de saúde.

 

“Acho que a gente consegue colocar na consciência das pessoas a importância das medidas e, de uma forma gradativa e responsável, poderemos seguir abrindo o comércio”, afirmou o chefe do Executivo. “Mas idosos e pessoas com comorbidades continuarão isoladas”, ressalvou o governador.

 

Acompanhado dos secretários de Saúde, Economia, Governo, Casa Civil e de Comunicação, Ibaneis se reuniu com mais de dez representações dos setores produtivo e comercial. Entre elas, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), que apresentou uma proposta de protocolo de segurança para que todas as empresas adotem caso sejam liberadas a reabrirem as portas.

 

O documento, com mais de trinta páginas, propõe que os estabelecimentos adotem medidas preventivas como o uso de máscaras e álcool em gel, medição de temperatura de clientes e testagem regular de todos os trabalhadores. “São uma série de ações que estamos nos comprometendo a adotar caso o governo libere o funcionamento”, explicou o presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia.

 

Liberação regionalizada

Ibaneis avaliará as propostas dos setores produtivo e comercial com base nas orientações de infectologistas, técnicos de saúde e estatísticos. “Vamos levar todo esse trabalho para avaliação e acredito que 80% do que está aqui pode ser adotado”, afirmou.

 

Outro recurso que o governo usará para tomar a decisão do que reabrir serão os resultados da testagem em massa. O chefe do Executivo lembrou que o GDF está fazendo cerca de quatro mil testes diários, o que está dando segurança para sinalizar quais os locais de maior risco. “Vamos aumentar esse número em breve. Agora, por exemplo, não temos segurança de reabrir comércio em algumas localidades, onde o número de casos cresce com a testagem”, explicou.

 

Segundo ele, Brasília pode seguir o exemplo de outros estados que resolveram reabrir o comércio de forma regionalizada. “Podemos pensar em liberar naquelas cidades onde está mais tranquilo e deixar fechado onde o risco for maior”, destacou.

 

Fundo Garantidor

Prevendo a permanência do fechamento de alguns setores, o governador Ibaneis Rocha ressaltou que já estuda a criação de uma alternativa para dar socorro aos pequenos e microempreendedores do DF. “Se a decisão for de não reabrir alguns estabelecimentos, vamos criar um fundo garantidor para somar a um outro que já existe no Sebrae”, previu.

 

Segundo Ibaneis, o governo já minutou um projeto de lei para a criação do fundo, que deve reunir recursos na ordem de R$ 200 milhões, entre imóveis e recursos próprios do orçamento local. “Isso dará condições ao BRB, aliado ao Sebrae e a FAP (Fundação Apoio à Pesquisa), de fornecer linhas de crédito orientado”, explicou.

 

De acordo com ele, as secretarias de Trabalho, Economia e Desenvolvimento Econômico já estudam também incluir nos debates a ampliação de linhas de crédito para os trabalhadores autônomos, também bastante afetados pela crise econômica do novo coronavírus.

 

Câmara Legislativa

O presidente da Câmara Legislativa, Rafael Prudente, acompanhou a reunião e, segundo ele, o Legislativo local está sensível ao momento atual e tem apoiado as medidas apresentadas pelo governo.

 

“Estamos dando celeridade a todos os projetos que o governo tem encaminhado. Inclusive, na próxima semana, queremos colocar o Refis em votação”, disse.

 

Rafael Prudente lembrou ainda que a Casa aprovou ontem (22) projeto de lei que obriga o uso de máscara por toda a população. “Inclusive, o senhor pode sancionar e já fazer um decreto regulamentando isto”, afirmou.

 

 

* Fonte: Agência Brasília/ Foto: Renato Alves/Agência Brasília